Histórico


 


É muito difícil dizer ao certo em qual local e especificamente em qual data as construções com terra surgiram para a humanidade. Como a fala, a escrita e ou as primeiras embarcações, a construção com terra, surgiu de uma necessidade básica do ser humano, assim por ser tão antiga, o traçado histórico por vezes fica incerto.
As mais antigas nos remetem a região da Mesopotâmia e ao antigo Egito. Apesar de ser um material comum a maioria dos locais do planeta, esta região possui duas características peculiares, que, facilmente, nos coloca próximo às primeiras edificações com terra.
A primeira característica indispensável a uma excelente construção com barro é a presença de rios na qual o processo geológico de milhares de anos, possa ter propiciado a sedimentação de material para a formação da argila.
A segunda, como já dito, é a presença natural de um clima seco, onde o rendimento de conforto, para os ambientes internos são melhores e mais facilmente notados com as construções de barro.
Praticamente todas as antigas civilizações trabalharam inicialmente suas edificações com a terra. Os sumérios, assírios e babilônios construíam os zigurates (templo em formato de pirâmide), os egípcios possuíam as mastabas (túmulos também em forma piramidal) e, posteriormente, recorreram a construções de pedra.
A muralha da China foi inicialmente construída com paliçadas de madeira e barro, talvez seja a mais antiga edificação de taipa ainda existente. Só posteriormente foi recoberta com pedras para adquirir sua atual composição.
Na América, muito antes de ser colonizada pelos europeus, muitas tribos pré-colombianas já utilizavam a terra para construção. Os astecas inicialmente construíram a pirâmide do deus sol com toneladas de terra batida. Com a evolução da sociedade, pedras acabaram por recobrir este monumento.
No Brasil, quando os portugueses aqui chegaram, encontraram tribos que ainda desconheciam a construção com barro. Trouxeram além das noções cartesianas, o adobe, o pau-a-pique e a taipa de pilão.
Cidades como Ouro Preto, Diamantina e Paraty têm em comum quatro séculos de história que testemunham o uso intensivo da taipa-de-pilão, do adobe, e da taipa-de-sopapo ou pau-a-pique. O solo não é de modo algum um material estranho à nossa herança cultural. Pelo contrário, estas cidades atestam ainda hoje todas as possibilidades destas técnicas.
Os métodos de construção utilizando solo foram intensamente utilizados até 1845, quando surgiu um novo material, o cimento Portlant. A partir de meados do século XIX, o solo começou a ser visto como material de segunda categoria e passou a ser utilizado, quase que exclusivamente, nas áreas rurais. 

Fonte: