O tijolo ecológico

Tijolo ecológico modular de solo-cimento

Os tijolos de solo-cimento constituem uma das alternativas para a construção em alvenaria. Esses elementos, após pequeno período de cura, garantem resistência à compressão simples similar à dos tijolos maciços e blocos cerâmicos, sendo a resistência tanto mais elevada quanto maior for a quantidade de cimento empregada; esta, no entanto, deve ser limitada a um teor ótimo que confira ao material curado a necessária qualidade, sem aumento do custo de fabricação. 
O tamanho do tijolo varia de acordo com a tradição de alvenaria de cada país/região. No Brasil, o formato mais popular é o tijolo 25 x 12,5 x 6,5 cm, com 2 furos de diâmetro 6,5 cm. Esses furos são usados como fôrma para pilaretes embutidos ou para a passagem de tubulação elétrica e hidráulica.Além do tijolo comum, existe o meio tijolo, utilizado em cantos de parede; e a canaleta, usada para fazer as vigas.

tijolo
meio tijolo
canaleta



Solo-cimento




Segundo ABCP, o solo cimento é o material resultante da mistura homogênea, compactada e curada de solo, cimento e água em proporções adequadas. O produto resultante deste processo é um material com boa resistência à compressão, bom índice de impermeabilidade, baixo índice de retração volumétrica e boa durabilidade. O solo é o componente mais utilizado para a obtenção do solo-cimento. O cimento entra em uma quantidade que varia de 5% a 10% do peso do solo, o suficiente para estabilizá-lo e conferir as propriedades de resistência desejadas para o composto.
Praticamente qualquer tipo de solo pode ser utilizado, entretanto os solos mais apropriados são os que possuem teor de areia entre 45% e 50%. Somente os solos que contêm matéria orgânica em sua composição (solo de cor preta) não podem ser utilizados. O solo a ser utilizado na mistura pode ser extraído do próprio local da obra.
Segundo MONTEIRO TIJOLOS, empregado no Brasil inicialmente na confecção de bases e sub-bases de pavimentos de estradas, o solo-cimento começou a ser empregado em construções em 1948, quando residências feitas com paredes monolíticas foram construídas na Fazenda Inglesa, em Petrópolis (RJ). Um ano depois, foi construído o famoso Hospital Adriano Jorge, do Serviço Nacional de Tuberculose, em Manaus, edifício com 10.800 m² ainda em funcionamento e em bom estado de conservação. 
No entanto, o solo-cimento só foi amplamente aplicado em moradias por volta de 1978, quando o antigo BNH aprovou a técnica para construções de habitações populares. Segundo Fernando Teixeira- consultor na área de solo-cimento, na época, estudos feitos pelo IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo) e pelo Ceped (Centro de Pesquisas e Desenvolvimento) comprovaram que, além do bom desempenho termo acústico, o solo-cimento aplicado em construções levava a uma redução de custos de 20% a 40%, se comparado com a alvenaria tradicional de tijolos de barro ou cerâmicos.

Fonte: 
FUNTAC (1999). http://201.67.42.66:8051/web/apps/frm_publicacoes.php
TIJOLO BRIKO. http://tijolo-ecologico.org/index.html
ABCP- http://www.abcp.org.br/basico_sobre_cimento/solo_cimento.shtml